Doutorando em Turismo publica artigo em revista internacional mais tradicional da área

As tecnologias digitais têm sido fundamental na atualidade, desde salvar vidas até mesmo confortar famílias quebrando um pouco a distância geográfica. Nessa perspectiva, e antes mesmo do aumento dessa percepção proporcionado pelos últimos acontecimentos, o doutorando do Programa de Pós-graduação em Turismo (PPGTur), da UFRN, André Soares, tem se dedicado a estudar aspectos da relação entre Tecnologia e Turismo.

Um dos seus últimos trabalhos foi a publicação do artigo “Technology adoption in hotels: applying institutional theory to tourism” (link aqui), na revista Tourism Review, considerado o periódico de turismo mais antigo do mundo, com 75 anos de atuação. A publicação foi desenvolvida por André em parceria com os professores Luiz Mendes Filho (Departamento de Turismo e PPGTur, da UFRN) e Ulrike Gretzel (University of Southern California, Los Angeles, Califórnia, Estados Unidos).

O artigo traz uma alternativa para o entendimento da adoção de tecnologia no turismo, tradicionalmente estudada com modelos mais racionais sob a perspectiva da Teoria Institucional. A pesquisa ajuda a compreender como hotéis adotam ferramentas e práticas de tecnologias e identificou que, muitas vezes, os estabelecimentos são pressionados, mesmo que sem perceber, a adotar algumas práticas tecnológicas – seja imitando um concorrente, por uma norma estabelecida, ou por atores da atividade que nem eles percebem que efetuam pressão em seus estabelecimentos.

Para o professor Luiz Mendes Filho o trabalho é importante para os estudos e para a prática em turismo: “A pesquisa contribuiu para a literatura sobre adoção de tecnologia nos hotéis devido à força que os consumidores têm nos comentários que eles postam na Internet sobre os hotéis. Isso é especialmente importante, pois as plataformas tecnológicas globais trazem disrupção aos serviços de turismo e hospitalidade”, ressalta.

TECNOLOGIA E TURISMO

André Soares vem estudando a relação entre Turismo e Tecnologia há mais de seis anos na UFRN: “A ideia de trabalhar nessa área me acompanha desde a graduação onde usei minha participação em um projeto de extensão à época, que era a criação de um aplicativo, para meu trabalho de conclusão de curso. Desde lá, me identifiquei com essa área de pesquisa e continuei nesse tema no mestrado e agora no doutorado”.

O estudo publicado recentemente, é parte de sua dissertação de Mestrado desenvolvida também no PPGTur da UFRN. Para André Soares, há uma real importância nesse aspecto que precisa ser estudado constantemente: “Fica cada vez mais evidente a importância de unir a tecnologia nos processos. Por algum tempo, precisaremos ampliar as pesquisas e estudos que possam ajudar no desenvolvimento econômico, ao mesmo tempo em que trará uma segurança e medidas que minimizem situações como a que vivemos”, destaca.

Segundo o Prof. Luiz Mendes Filho, orientador de André Soares, os estudos que envolvem Turismo e Tecnologia são escassos no Brasil e essenciais para contribuir com a atividade turística: “Pesquisas como essa reforçam o compromisso das universidades em contribuir para auxiliar as empresas e instituições governamentais a entenderem melhor os impactos das tecnologias no turismo”.

Ele ressalta ainda que a atual crise da Covid-19 trará a readaptação de empresas do setor turístico e hospitalidade para disponibilizar seus serviços aos clientes, tendo a tecnologia como ferramenta essencial: “Serão fundamentais para que as empresas possam reiniciar suas operações e sobreviverem no pós-pandemia. Consequentemente, num futuro próximo, muitos estudos em turismo irão descrever como as tecnologias ajudaram a atividade turística a se reerguer no mercado”, destaca Luiz Mendes.

SANDUÍCHE

Atualmente, André Soares está se dedicando a uma etapa especial do seu Doutorado: uma experiência de um ano através do Programa PRINT, da UFRN. O pesquisador foi selecionado e já está na Espanha desde janeiro, desenvolvendo pesquisas na Universidade de Alicante, sob orientação do professor local, Josep Ivars, diretor do Centro de Investigações em Turismo da Universidade.

Para André Soares, a experiência internacional tem sido excepcional: “Até mesmo a pandemia da Covid-19 está me possibilitando aprender e identificar coisas aqui que podem gerar novas pesquisas, uma vez que o turismo está diretamente ligado a isso. Cheguei em janeiro e fico até dezembro. O período que cheguei aqui estava no período letivo deles, e pude me integrar na universidade e experienciar uma nova instituição de ensino – costumes, e até mesmo o cotidiano”, relata.

Fonte: Ascom/CCSA.