Em Brasília, Diretoria do CONFIES aprova criação de indicadores econômicos e sociais para fundações de apoio de universidades

A Diretoria do CONFIES, reunida nesta quarta-feira (11) em Brasília, aprovou proposta de criação de indicadores econômicos e sociais para melhorar o monitoramento das atividades das fundações de apoio de universidades públicas e institutos federais. O presidente do CONFIES, Fernando Peregrino considerou positiva a proposta e afirmou que os indicadores devem facilitar o trabalho de órgãos fiscalizadores, como o Ministério Público que, por lei, tem a prerrogativa de velar pelas fundações de apoio.

Com movimentação anual de R$ 5 bilhões, as fundações de apoio são gestoras de projetos conduzidos pelas instituições de ciência e tecnologia, assim, permitindo o cientista dedicar-se à pesquisa sem perder tempo com serviços burocráticos.

A proposta prevê a criação de indicadores de Eficiência, Eficácia, Efetividade, Contábeis e Sociais, conforme apresentou o relator José de Paula Barros Neto, diretor-presidente da Fundação ASTEF, vinculada à Universidade Federa do Ceará (UFC), um dos diretores do CONFIES. Neto reuniu e consolidou sugestões apresentadas, em reuniões anteriores, pelo assessor jurídico da Fundação  COPPETEC (vinculada à Universidade Federal do Rio de Janeiro – UFRJ), Rafael Marinelli; pelo Gilberto Vieira Ângelo, superintendente da Fundação FAPEU, vinculada à Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC) e por outros representantes do segmento.

Objetivos

Um dos objetivos da criação dos indicadores é apresentar às instituições apoiadas o controle e acompanhamento na otimização dos processos a um menor custo. Também mostrar que existe um controle e acompanhamento do custo de colaboradores necessários à gestão de projetos; que os objetivos são executados em conformidade com a exigência prevista no Decreto 7423/2010; e, entre outros, apresentar benefícios alcançados com o apoio das fundações.

Inicialmente, será realizado um teste piloto com três fundações de apoio, a COPPETEC, ASTEF e a FCM (Fundação CEFETMINAS) que simularão os indicadores, com base em dados de 2019, por exemplo. A ideia é que esses índices pilotos sejam apresentados e avaliados na próxima reunião da Diretoria do CONFIES, prevista para 22 de maio, onde serão discutidos os próximos passos dessa estratégia.

Encontro Nacional do CONFIES

A Diretoria do CONFIES aprovou ainda a data da realização do Encontro Nacional do CONFIES de 2020, nos dias 11, 12 e 13 de novembro, em Brasília. O evento se realizará em um hotel onde será permitida hospedagem, no mesmo local, para facilitar a logística do público que participará do congresso, como cientistas, reitores, parlamentares e outros.

Fundos patrimoniais

O presidente do CONFIES, Peregrino, mediando a reunião, voltou a analisar a crise orçamentária da área  de ciência, tecnologia e inovação e reiterou a necessidade de se buscar novas fontes de recursos para o fomento das pesquisas científicas nacionais, principalmente no momento em que a Organização Mundial da Saúde (OMS) declara pandemia do coronavírus (Covid-19).

Peregrino voltou a defender a implementação de incentivos fiscais na Lei dos Fundos Patrimoniais (Lei nº 13.800, de 2019) – também conhecida como lei dos endowments –, para que a legislação possa atrair recursos doados da iniciativa privada para ciência brasileira. Segundo Peregrino, o CONFIES vem intensificando as articulações com parlamentes para que seja aprovado o projeto de lei 4634/2012, da deputada Bruna Furlan (PSDB-SP), que foi relatora da medida provisória dos Fundos Patrimoniais. Em tramitação no Senado, o texto prevê incentivo tributário para dedução de valores doados no cálculo do Imposto de Renda.

A reunião da Diretoria do CONFIES foi realizada na sede da FINATEC, fundação de apoio vinculada à Universidade de Brasília (UnB).

Fonte: CONFIES.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

seis − 6 =